Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 4227
Caderno B

Odes à liberdade e outros poemas

Escritor Fernando Fiúza lança ‘Livramento’, novo livro de poesias, na Bienal; sua sexta obra poética reúne 60 poemas inéditos que foram escritos ao longo de décadas

Por VICTOR LIMA E MAYLSON HONORATO* | Edição do dia 08/11/2019

Matéria atualizada em 08/11/2019 às 00h16

Foto: Divulgação
 

Liberdade temática e formal é o conceito do novo livro do escritor alagoano Fernando Fiúza. Aos 58 anos, o poeta se sente mais livre e consciente de sua obra e, em ‘Livramento’, faz um apanhado sobre sentimento religioso e melancolia, trabalhando, ainda, poemas eróticos, poemas sobre outros escritores e até uma série de ‘adivinhas’. O evento de lançamento é gratuito e ocorre nesta sexta-feira (8), a partir das 19h, no Arquivo Público de Alagoas, com um bate-papo com o autor, seguido da sessão de autógrafos.

Apaixonado pela literatura, Fernando Fiuza é professor de Teoria Literária na Universidade Federal de Alagoas, escritor, autor de seis obras poéticas - entre elas, Outdó (2012) e Sonetos Impuros (2015), publicadas pela Imprensa Oficial Graciliano Ramos, assim como o lançamento de hoje.

Livramento traz 60 poemas inéditos construídos ao longo de décadas e pode ser um considerado uma síntese da obra do poeta alagoano.

Segundo o escritor, esta obra é diferente de seus outros livros publicados. “A palavra livramento permite várias interpretações, trata-se de uma palavra sugestiva. Escolhi este título justamente para expressar a ideia de liberdade formal. A seleção de poemas, escritos ao longo de décadas, foi baseada apenas no critério de qualidade. Há poemas sobre o sentimento religioso e a melancolia, poemas eróticos, poemas sobre outros escritores, até uma série de ‘Adivinhas’”, descreve Fiúza.

Quando questionado sobre a fonte de inspiração, ele explica que a inspiração não é algo que se decrete. “Vem de qualquer coisa, de um alfinete à arte na era digital”. E de fato, em Livramento tudo é motivo de poesia. “De Marilyn Monroe a Carlos Drummond de Andrade, dos deuses e o diabo, e até as coisas mais corriqueiras da vida como um alfinete, um chapéu específico e os ponteiros do relógio. A poesia estampa as páginas do livro assumindo diferente formas”, afirma.

O sexto livro de poesia de Fernando Fiúza poderá ser adquirido tanto na noite do lançamento quanto nos demais dias da programação da Imprensa Oficial Graciliano Ramos durante a 9ª Bienal do Livro de Alagoas. Exemplares da obra podem ser encontradas na sede do Arquivo Público de Alagoas e no estande da editora no Armazém Usina.

A relação do autor com a poesia é coisa antiga. Seu primeiro livro, O Vazio e a Rocha, foi lançado em 1992. E somente após 12 anos a obra ganhou um sucessor. Desde então, porém, Fernando Fiúza mantém um ritmo de publicações quase que anual, atribuído ao seu amor pela escrita e, em especial, pela poesia. Confira algumas declarações de Fiúza sobre essa relação e as motivações para ‘Livramento’.


MOTIVAÇÃO E RESULTADO

“Como disse o poeta mineiro Murilo Mendes, “a poesia sopra quando quer”. Os poetas esperam a musa baixar, mas é preciso que o palco esteja arrumado para que isto ocorra. A inspiração não é algo que se decrete, mas ter tempo e saúde ajuda porque poesia exige uma enorme força mental. Livramento tem poemas que escrevi nos anos 1990 e nas duas décadas do século em que estamos. Concluí em 2017 e no livro há poemas daquele ano. A inspiração vem de qualquer coisa, de um “Alfinete” à arte na era digital, como “Suave Apocalipse”. Mas há também poemas sobre o sentimento religioso e a melancolia, poemas eróticos, poemas sobre outros escritores, até uma série de “Adivinhas”. O leque temático e o leque formal são largos.

Como vejo o resultado de minha obra? Construo minha obra conscientemente, cada livro tem uma proposta clara, cada um é organizado por um tema, como “Alagoado” (2008), só com poemas sobre Alagoas, ou por uma forma, como Outdó (2012), só com poemas curtos, e Sonetos Impuros (2015), só com sonetos (14 versos metrificados). Livramento é diferente. Como o título sugere, é um livro da liberdade temática e formal. Escolhi os poemas para compô-lo baseado apenas no critério de qualidade. É, de certa forma, uma síntese de minha obra.”


TEMAS ABORDADOS

“O público vai encontrar nesta obra muitos temas e formas. Há, por exemplo, poema sobre a cera, sobre o chapéu panamá, sobre os ponteiros do relógio, sobre a relação da mulher com a vassoura, sobre a janela, sobre um prato de feijão, enfim, sobre os deuses e o diabo.”


INFLUÊNCIAS

“Meus autores favoritos são muitos, tudo que leio, e leio muito, de uma maneira ou de outra, me influencia. Mas meus poetas preferidos são Homero, Sófocles, Baudelaire, Manuel Bandeira, Francis Ponge, Jorge Luís Borges, Murilo Mendes, João Cabral de Melo Neto e Jorge Cooper.”


LITERATURA ALAGOANA

“A literatura é a coisa mais importante da minha vida. Vivo basicamente para ela, a que dou o melhor das forças vitais. Desde muito cedo soube que era poeta e conduzi a vida neste sentido. Já fiz e faço sacrifícios pela literatura, mas foi ela que me deu e me dá os melhores prazeres mentais. Alagoas é um estado pequeno, periférico, mas que deu e dá bons poetas: Jorge de Lima, Aloísio Branco, Jorge Cooper, Ledo Ivo, Carlos Moliterno, Vera Romariz, Marcos de Farias Costa, Sidney Wanderley, Octavio Cabral, Gonzaga Leão etc.”


REFLETIDO NA POESIA

“A poesia é e não é biográfica. Ela se vale da vida do poeta e da vida dos outros, mas modifica-as, não é um documento. A literatura em geral, e a poesia em particular, é o reino da ambiguidade. Ninguém deve procurar certezas factuais num livro literário.”


METAMORFOSES

“Todos os dias. Cada poema e cada livro são diferentes. Não gosto de me repetir.”


ESCRITOR CONTEMPORÂNEO

“O papel do escritor é modificar a percepção do leitor, reconfigurá-la, dá-lhe um tapa com luva de pelica, romper o automatismo, a mesmice, o rame-rame.”


FUTURO

“Tenho dois livros de poemas bem encaminhados, escrevi um libreto para um musical sobre Calabar que gostaria de ver encenado e faço com certa frequência letras de músicas, algumas são cantadas e gravadas.”

Mais matérias desta edição