Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Caderno B

OLHANDO PARA FORA

Nova exposição de Pedro Caetano, “Diálogos Urbanos” tem visitação virtual e obras espalhadas por Maceió em outdoors

Por DIMITRIA PIMENTEL*/ ESTAGIÁRIA COM ASSESSORIA | Edição do dia 14/10/2020

Matéria atualizada em 13/10/2020 às 20h57

Foto: Hannah Copertino/Assessoria
 

O artista Pedro Caetano lançou, nessa segunda-feira (12), a exposição “Diálogos Urbanos”, na Galeria de Artes Visuais do Complexo Cultural Teatro Deodoro. A mostra se estende para10 outdoors espalhados nos principais pontos da capital alagoana e também virtualmente pelo site da Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (diteal.al.gov.br.) Preocupado com os riscos de contágio pelo novo coronavírus, o artista conta que a ideia da exposição a céu aberto tem o intuito de evitar aglomerações e aproximar a arte da sociedade. Esse ineditismo no formato foi abraçado com muito êxito pela parceira do artista, a Ibratin. Quando procurou a Diteal, veio a proposta de oferecer um tour virtual da mostra. “Mostrar que a arte pode estar em qualquer lugar, levar a arte para fora do museu, para fora da galeria, é uma forma de ressignificar estruturas e dialogar com a cidade, espalhando 10 outdoors pela cidade. Por viabilizar esse projeto do novo normal que estamos vivendo, não só físico, mas também para quem preferir, temos o tour virtual. Uma linda parceria em que a Ibratin e o Teatro Deodoro estão sendo pioneiros”, comemorou. De acordo com Caetano, as obras retratadas dialogam com cenas do cotidiano da cidade de Maceió, o que justifica o título da exposição. Entre as imagens que estarão expostas durante os próximos dias, o artista destaca a forte presença de trabalhadores, paisagens, cultura e cotidiano, dentre outras imagens que retratam o contexto urbano. A curadoria responsável pela mostra é de Alice Barros e Robertson Dorta. “A exposição recebe o nome de ‘Diálogos Urbanos’ por estar presente em estrutura de outdoor - que geralmente as pessoas associam à poluição visual - hoje, com a possibilidade de levar arte para as ruas, criando uma oportunidade de levar arte e dialogar com a cidade, fazendo uma referência física e visual”, explicou Pedro. A mostra está articulando uma data para a liberação de visita presencial, atendendo normas sanitárias, mas ainda não há uma previsão. Ao todo, 16 pinturas integram a exposição. A técnica utilizada é acrílica sobre tela.


O ARTISTA

Natural de Fortaleza, Pedro Caetano apresenta suas obras em mostras coletivas desde 2008, não somente em Maceió, como também em outras cidades do país, como Fortaleza e São Paulo. Filho de artistas e apresentado ao mundo das artes desde o berço, ele possui no currículo três exposições individuais. A primeira “Na janela do olhar” ficou em cartaz na Fundação Pierre Chalita, em 2012. Dois anos depois, lançou o “Exposição Divina” que ficou hospedado no Divina Gula. Sua mostra mais recente foi “Ranhuras”, em 2015, no qual conseguiu expor em Maceió e em Fortaleza. “Diálogos Urbanos” é a sua quinta individual. “É muito gratificante. Fazia cinco anos que não realizava uma exposição individual e estou muito feliz porque estou voltando à esta casa. Dizem que um bom filho à casa torna. Este momento de pandemia me levou a uma série de questionamentos sobre de que maneira a gente pode se reinventar e promover a arte. Andei refletindo e vi que o momento é propício para utilizar equipamentos urbanos, no caso os outdoors, para reproduzir a arte, já que eu tenho um trabalho que dialoga com a cidade. Veio a ideia de ressignificar esses elementos, que para muita gente é de poluição, se tornando espaço de criação”, conta o artista. A curadora Alice Barros defende que o trabalho de Pedro contido na exposição se dá “buscando alcançar a representação do contexto observado com o mínimo de linhas, sendo solapado pela variação da luz, alteração da cor, desconstrução tonal das sombras, foi sentindo o peso, a leveza, a musicalidade que há nos gestos. Diálogos Urbanos ardem, contemplam o belo, implícito na miséria humana, como desconcertante paradoxo, nos fazendo refletir a transitoriedade poética dos contrastes sociais”. A professora Carol Gusmão, que também atua em curadorias artísticas, deixou registradas as suas impressões sobre as obras de Pedro Caetano, expostas na galeria do Complexo. “Nós, os que compreendemos seu código, só temos a agradecer por esta deliciosa subversão. A arte de Pedro vai além do lugar comum da paisagem e dos personagens locais: apresenta-se como relevos de sua própria mente-coração, por onde – tenho certeza – sempre habitarão as saudáveis e permanentes dúvidas através das quais a arte evolui. E evoluirá”, pondera. “Em 17 de março, através de Decreto Governamental, tivemos de fechar todos os equipamentos culturais, exigindo que buscássemos alternativas para continuarmos atuantes. Trouxemos, então, a 3ª Edição da Amostra Grátis. Recebemos agora “Diálogos Urbanos”, trazendo um olhar poético e cheio de questionamentos da nossa Maceió de hoje. Teremos a exposição física, nos preparando para o retorno gradativo do público in loco, 10 outdoors espalhados pela cidade com reprodução das telas, uma ação muito democrática de acesso à arte, principalmente nas circunstâncias atuais, e o tour virtual no nosso site. Convidamos a todos, mantendo nosso compromisso de continuarmos buscando e encontrando caminhos para o exercício de nossa missão institucional”, completa o gerente artístico e cultural da Diteal, Alexandre Holanda.

*Sob supervisão da editoria de Cultura

Mais matérias desta edição