Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Caderno B

VEM AÍ

De Maceió ao interior: Conheça 4 projetos viabilizados pela Lei Aldir Blanc que estreiam no começo de 2021

Por DA EDITORIA DE CULTURA | Edição do dia 16/01/2021

Matéria atualizada em 15/01/2021 às 21h21

Foto: Kyle HEad
 

Mesmo que o setor cultural e também o público consumidor de arte e cultura em Alagoas ainda estejam sentindo o impacto da pandemia que persiste, 2021 começou com outros ares para os artistas e produtores culturais que foram contemplados pelos editais da Lei Aldir Blanc. Este ano guarda para o público filmes inéditos, livros, exposições, festivais, eventos, shows, oficinas, encontros - mesmo que virtuais - e dezenas de peças de teatro. Para quem está por trás dessas produções, o ano começa com muito trabalho. Alguns desses artistas e realizadores já utilizaram as primeiras semanas do ano para lançar seus projetos e listamos quatro iniciativas que já estão acontecendo ou que estão para acontecer este mês ou em fevereiro.


FESTIVAL RIACHO DO MEIO

Artistas de 15 municípios do interior de Alagoas vão se apresentar na 2ª edição do Festival Riacho do Meio, que ocorre de 1 a 5 de fevereiro, na cidade de Viçosa. Trata-se de uma das primeiras iniciativas decorrentes dos editais da Lei Aldir Blanc em Alagoas a vir a público. As inscrições para artistas estão abertas e seguem até o dia 21 de janeiro, pelo site: www.festivalriachodomeio.com.br. O público poderá acompanhar os shows e espetáculos pelo Youtube. Além dos de Viçosa, artistas de Major Izidoro, Cacimbinhas, Minador do Negrão, Estrela de Alagoas, Igaci, Palmeira dos Índios, Quebrangulo, Paulo Jacinto, Mar Vermelho, Belém, Tanque D’arca, Maribondo, Pindoba e Chã Preta podem se inscrever no festival online, que contempla bandas e artistas de outros segmentos, como atores e poetas populares. O evento foi contemplado pelo Edital Dinho Oliveira de Produção Cultural, da Secretaria de Estado da Cultura de Alagoas (Secult-AL), por meio da Lei de Aldir Blanc de Emergência Cultural. Izabelly Sena, uma das produtoras, explica que o festival terá 5 dias, dois deles voltados para atividades de formação. “Na primeira edição, 41 artistas viçosenses se inscreveram e conseguimos selecionar 15. Agora, com o apoio da Lei Aldir Blanc, ampliamos a possibilidade de participação para toda a região e mantivemos o festival na cidade de Viçosa. Além das bandas, teremos oficinas de iniciação musical, além de uma de teatro, outra de produção cultural e uma mesa redonda que reunirá artistas e gestores culturais em uma conversa franca sobre os desafios de produzir cultura no interior de Alagoas”, explica Izabelly Sena.


CULTURA NERD

Contemplada no edital Mestra Hilda, lançado pela Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac) no final do último ano, a Associação Alagoana de Role-Playing Game anunciou o projeto Nerd TV. Um programa no YouTube, que vai focar em artistas da cultura nerd de Maceió. A estreia está prevista para fevereiro, no canal Desvendando RPG. A associação acredita que foi uma das poucas organizações do cenário nerd contempladas pela Lei Aldir Blanc e, por essa razão, decidiu investir nos grupos e artistas nerds que não possuem a mesma oportunidade. De acordo com Marcus Kelly, presidente da associação alagoana de RPG, mais conhecida como AL RPG CLUB, o programa contemplará mais de 40 artistas da cultura nerd de Maceió. “É um momento novo para todos do cenário nerd, a AL RPG CLUB tem buscado parcerias para investir neste cenário e nada melhor do que dividir o prêmio Mestra Hilda com o coletivo. O programa NERD TV! Será um projeto guarda chuva, permitindo que os grupos e artistas apresentem seus trabalhos.”


PREPARANDO O CARNAVAL… DE 2022

Entre os dias 20 e 23 de janeiro, a Associação Cultural Alagoa do Sul, em parceria com o Centro Cultural Arte Pajuçara, irá realizar o seminário “Preparando o Carnaval… de 2022”. O evento, que será exclusivamente online, foi viabilizado pela Lei Aldir Blanc, por meio do Edital Mestra Hilda, lançado pela Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC) em 2020. O seminário tem o intuito de discutir, sob perspectiva histórica, cultural e econômica, o Carnaval na capital alagoana, suspenso neste ano devido a pandemia do novo coronavírus. Os debates farão um resgate das tradições dos festejos carnavalescos maceioenses, desde os famosos carnavais de rua das décadas passadas, até os novos formatos, os incentivos por meio do poder público e a importância que a manifestação popular exerce socioeconomicamente na cidade. Segundo o curador do evento e presidente da Associação Cultural Alagoa do Sul, Carlito Lima, o carnaval é uma festa com potencial para exercer um papel de destaque no calendário cultural e, consequentemente, na economia criativa de Maceió.

“O carnaval constitui uma das mais conhecidas expressões culturais do Brasil, e nele estão presentes diversos atores da economia criativa, tais como os grupos que formam os blocos, as escolas de samba, desde os bastidores até os desfiles, os músicos e outros profissionais que dão um show de criatividade numa festa culturalmente tão rica, além da gama de colaboradores da cadeia turística que se beneficiam do fluxo de pessoas que circulam na cidade durante esse período”, afirma o presidente da Associação.


ESTAÇÕES

Artistas que não lançam novos trabalhos há algum tempo, como o cantor e compositor Mácleim e até mesmo Wilma Araújo, devem lançar projetos inéditos este ano. Além deles, outro nome conhecido do público e que está prestes a colocar suas músicas para o mundo ouvir é Roberta Aureliano. A cantora, mesmo com mais de 10 anos de carreira musical - ela também possui uma carreira de mais de 20 anos como atriz - nunca lançou um álbum oficial. Apesar de alguns discos promocionais circularem na internet, “Estações” será a primeira vez que a artista imprimirá sua cara em um trabalho, pelo menos oficialmente. O álbum reúne canções de compositores diversos e que influenciaram os passos de Roberta Aureliano até aqui.

“Será um trabalho que fala sobre mim, mas também sobre uma Alagoas que poucos param para observar. “Estações” tem um sentido muito pessoal, relacionado ao meu pai e que falarei mais depois, e também um sentido de mudança, de encontro com os interiores que antigamente eram conectados pelo trem, com a minha Viçosa. É um CD com músicas de grandes nomes e de gente nova também”, explica Roberta. O álbum será lançado em fevereiro, em todas as plataformas digitais.

Mais matérias desta edição