Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Caderno B

PARA QUANDO O CARNAVAL CHEGAR

Sem esperança de ganhar as ruas este ano, apaixonados pela festa realizam evento online para resgatar histórias do carnaval de Maceió e dialogar sobre a folia do próximo ano

Por DA EDITORIA DE CULTURA | Edição do dia 20/01/2021

Matéria atualizada em 19/01/2021 às 20h54

Foto: Divulgação
 

“Ó Abre Alas, que eu quero passar!” As marchinhas, a alegria, a aglomeração colorida e o festejo da vida que o carnaval simboliza estão distantes de saírem do papel e do pensamento este ano, quando ainda é necessário o distanciamento e as medidas de seguranças relacionadas à pandemia do novo coronavírus. Por essa razão, entre os dias 20 e 23 de janeiro, a Associação Cultural Alagoa do Sul, em parceria com o Centro Cultural Arte Pajuçara, irá realizar o seminário “Preparando o Carnaval… de 2022”. O evento, que será exclusivamente online, foi viabilizado pela Lei Aldir Blanc, por meio do Edital Mestra Hilda, lançado pela Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC) em 2020. O seminário tem o intuito de discutir, sob perspectiva histórica, cultural e econômica, o Carnaval na capital alagoana, suspenso neste ano devido a pandemia do novo coronavírus. Os debates farão um resgate das tradições dos festejos carnavalescos maceioenses, desde os famosos carnavais de rua de Maceió das décadas de 50, 60 e 70, os novos formatos, os incentivos por meio do poder público e a importância que a manifestação popular exerce socioeconomicamente na cidade. Segundo o curador do evento e presidente da Associação Cultural Alagoa do Sul, Carlito Lima, o carnaval é uma festa com potencial para exercer um papel de destaque no calendário cultural e, consequentemente, na economia criativa de Maceió. “O carnaval constitui uma das mais conhecidas expressões culturais do Brasil, e nele estão presentes diversos atores da economia criativa, tais como os grupos que formam os blocos, as escolas de samba, desde os bastidores até os desfiles, os músicos e outros profissionais que dão um show de criatividade numa festa culturalmente tão rica, além da gama de colaboradores da cadeia turística que se beneficiam do fluxo de pessoas que circulam na cidade durante esse período”, afirma o presidente da Associação. Carlito Lima é um conhecido crítico, pesquisador e folião do carnaval de Maceió. Ele defende que a festividade tem uma importância singular para a identidade do povo alagoano e ainda para a economia local. O assunto também será tratado durante o evento online, mirando o próximo ano e o diálogo com os gestores públicos.

“Durante o período de carnaval, viajam cerca de 200 mil maceioenses, em busca da folia em outras cidades. Recife, Salvador, Barra de S. Miguel, Paripueira, entre outras. Se cada um desses viajantes gastar durante o carnaval R$ 500, são mais de R$100.000.000,00 [cem milhões de reais] que deixam de circular em Maceió, prejudicando a economia popular, os ambulantes, os taxistas, os hotéis, as pousadas, os bares, restaurantes. Então, é preciso fazer um esforço para manter esse pessoal que viaja ou mesmo oferecer um carnaval aos 800 mil maceioenses que ficaram na cidade”, conclui o Velho Capita, como é conhecido. Como resultado do seminário, será criado um planejamento para ser entregue à gestão municipal sobre a elaboração dos festejos carnavalescos de Maceió em 2022. Durante os quatro dias de evento, fazendo referência às temáticas ligadas ao carnaval tradicional, a programação também contará com shows de grandes nomes da música local, como Igbonan Rocha, Nara Cordeiro, Pompe e Roberta Aureliano, além da apresentação da orquestra de frevo W&K. A transmissão ao vivo do “Preparando o Carnaval… de 2022” acontecerá pelas redes sociais do Centro Cultural Arte Pajuçara: Instagram (instagram.com/artepajucara), Facebook (facebook.com/artepajucara) e YouTube (http://bit.ly/canalartepajucara).


ASSOCIAÇÃO CULTURAL ALAGOA DO SUL

Criada em 2013, a Associação Cultural Alagoa do Sul atua em diversos eventos culturais de Maceió. Responsável pela realização dos desfiles do Bloco Nêga Fulô na orla marítima da capital alagoana desde 2014, a entidade também foi selecionada em chamada pública para a produção do Polo Orla no Carnaval de 2020, além de realizar as já tradicionais Festas Literárias em vários bairros da cidade.

Mais matérias desta edição