Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 5735
Aos 90 anos

MORRE ATRIZ LÉA GARCIA, ÍCONE DO FILME 'ORFEU NEGRO'

Artista faleceu ontem (15), em Gramado, onde receberia homenagem pelo conjunto da obra

Por ALESSANDRA MONTERASTELLI / FOLHAPRESS | Edição do dia 16/08/2023

Matéria atualizada em 16/08/2023 às 14h12

 

Foto: memória globo
 

Morreu ontem (15) a atriz Léa Garcia, que seria homenageada no Festival de Gramado pelo conjunto da obra, aos 90 anos. A informação foi confirmada pelos familiares da artista nas redes sociais.


“É com pesar que nós familiares informamos o falecimento, agora na cidade de Gramado, da nossa amada Léa Garcia”, diz a postagem no perfil oficial do Instagram.


Em nota oficial de pesar, a organização do Festival de Cinema de Gramado afirmou que Garcia iria receber o troféu Oscarito na noite desta terça, ao lado de Laura Cardoso. De acordo com o Hospital Arcanjo São Miguel, a causa da morte foi um infarto agudo do miocárdio.


“Dona Léa Garcia havia chegado a Gramado no último sábado (12) acompanhada do filho, Marcelo Garcia. A atriz circulava diariamente pelo evento, onde acompanhou diversas sessões no Palácio dos Festivais”, diz a nota.


A atriz chegou a agradecer pela receptividade da cidade, que segundo ela “ tem um leve sabor de chocolate no ar”. “Aqui me sinto sempre prestigiada”, disse.


Com longa carreira nos cinemas, Garcia fez sucesso cedo. Em 1959, esteve no páreo do prêmio de melhor interpretação feminina no Festival de Cannes por sua personagem em “Orfeu Negro”, longa de Marcel Camus vencedor do Oscar de filme estrangeiro.


O longa foi inspirado na peça de teatro “Orfeu da Conceição”, assinada por Vinicius de Moraes, e ambienta o mito grego de Orfeu e Eurídice em uma favela carioca. Eurídice, interpretada por Marpessa Dawn, saí do sertão nordestino para morar com a prima Serafina, encarnada por Léa Garcia, no Rio de Janeiro.


Nascida no Rio em 1933, Garcia era filha de uma modista e de um bombeiro. Aos 11 anos foi morar com a avó, que trabalhava como doméstica em Copacabana.


Foi na década de 1950 que Léa Garcia conheceu o Teatro Experimental do Negro, grupo liderado por Abdias do Nascimento, com quem teve dois filhos, e se descobriu uma atriz de talento ao lado de Ruth de Souza. Logo em 1952, estrearia nos palcos com “Rapsódia Negra”.


Depois de “Orfeu Negro”, ganhou as telonas em “Ganga Zumba”, de 1963, primeiro filme dirigido por Cacá Diegues nos moldes do cinema novo. O longa conta a história do líder do Quilombo dos Palmares, com trilha de Moacir Santos e participação de Cartola.


Mas não foi só no cinema e no teatro que Garcia deixou sua marca. A atriz começou a trabalhar na Globo na década de 1970, quando integrou o elenco de “Assim na Terra Como no Céu”, novela de Dias Gomes, como Dalva, doméstica de Renatão, feito por Jardel Filho.


A partir daí, sua carreira na televisão decolou. Participou de outras novelas como “O Homem que Deve Morrer”, de 1971, e “Fogo Sobre Terra”, de 1974, em que interpreta uma doméstica que mata o patrão. Gravada em pela ditadura militar, a cena precisou ser regravada.


No início daquela década, participou do primeiro programa transmitido inteiramente a cores no país, “Meu Primeiro Baile, Caso Especial”. Em 1976, fez sucesso estrondoso ao encarnar a vilã Rosa de “Escrava Isaura”, adaptação de Gilberto Braga do livro de Bernardo Guimarães. Na época, a atriz contou sofrer agressões na rua porque o público não sabia separar a personagem da artista.


“Eu me lembro de uma cena em que, quando a Rosa acabou de fazer todas as perversidades com a Isaura, eu tive uma crise de choro, me pegou muito forte. Chorei muito, não com pena, mas porque me tocou”, disse Léa sobre o papel ao site Memória Globo, que recupera produções antigas da emissora.


Na TV Manchete, fez “Tocaia Grande”, de 1995, baseado na obra de Jorge Amado, e “Xica da Silva”, de 1996. De volta à Globo, nas décadas de 1990 e 2000 compôs o elenco das novelas “Anjo Mau”, de 1997, em que contracenou com Taís Araújo, “O Clone”, de 2001, de Glória Perez, e “Êta Mundo Bom!”, de 2016, em que trabalhou novamente com Walcyr Carrasco.


No Festival de Gramado, sua presença no tapete vermelho é de longa data. A atriz já conquistou o troféu Kikito de atuação no evento com os filmes “Filhas do Vento”, “Hoje Tem Ragu” e “Acalanto”.


“Léa foi peça fundamental na quebra da barreira dos personagens tradicionalmente destinados a atrizes negras”, diz a nota do evento. “Foi assim que se tornou referência para as novas gerações.”

Mais matérias desta edição