Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Cidades

CASOS DE COVID CRESCEM 23% NA PRIMEIRA SEMANA DO ANO EM AL

Óbitos subiram 6%; ocupação de leitos de UTI em Arapiraca e Palmeira dos Índios se aproxima de 90%

Por luan oliveira | Edição do dia 13/01/2021

Matéria atualizada em 12/01/2021 às 22h25

| Agência Brasil

O número de casos confirmados de Covid-19 em Alagoas na primeira semana de 2021 aumentou 23% em comparação com a semana anterior, segundo o Observatório Alagoano de Políticas Públicas para o Enfrentamento da Covid-19 da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). O número de óbitos também subiu 6% neste período. Foram 2.748 casos confirmados na 1ª Semana Epidemiológica de 2021 no Estado, com 51 óbitos. O aumento no número de casos teria ocorrido em todo o Estado de Alagoas, mas a maioria deles se concentra em Maceió. A capital também concentra mais de 50% dos óbitos registrados no período. Crítico ao ritmo de testagem em Alagoas, o relatório apontou que houve um aumento no número de testes aplicados na primeira semana do ano, mas que ainda é insuficiente, apontando os mais de 8 mil casos ainda pendentes de análise laboratorial até o dia 10 de janeiro.

“A incapacidade de processamento dos testes atrelada à desarticulação com a Atenção Primária à Saúde se traduz na ineficiência na gestão dos casos e no dimensionamento da pandemia no estado, comprometendo a tomada de ações por parte do poder público”, escrevem os pesquisadores no documento.

O observatório também acendeu um alerta para a ocupação dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) nos municípios de Arapiraca e Palmeira dos Índios, que registram mais de 83% de ocupação. O documento se encerra com um apelo para que o público continue a usar máscaras e a seguir as normas de distanciamento social.

“Considerando que uma situação segura só será alcançada por meio da imunidade coletiva, atingida unicamente na presença de uma robusta campanha de vacinação, lembramos que as medidas amplamente divulgadas nos últimos meses pelas autoridades sanitárias continuam sendo essenciais para o restabelecimento do controle da transmissão do novo coronavírus”, diz o relatório..

* Sob supervisão da editoria de Cidades.

Mais matérias desta edição