Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Cidades

FERRAMENTA ESTIMA TAXA DE REPRODUÇÃO DA COVID EM QUEDA EM AL

Há quase um mês índice está abaixo de um, uma das menores faixas do Nordeste

Por regina carvalho | Edição do dia 04/05/2021

Matéria atualizada em 03/05/2021 às 22h41

Maceió, 04 de janeiro de 2021
Aumento de casos do novo coronavírus em Maceió. Alagoas - Brasil.
Foto:@Ailton Cruz
Maceió, 04 de janeiro de 2021 Aumento de casos do novo coronavírus em Maceió. Alagoas - Brasil. Foto:@Ailton Cruz | @Ailton Cruz

Alagoas está há quase um mês com a taxa de reprodução ou contágio pelo novo coronavírus menor do que 1 (um) – 0,97 – uma das menores faixas do Nordeste. À frente apenas do Piauí e da Paraíba, segundo estimativa da ferramenta Covid Analytics, desenvolvida por um grupo de pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

Se a taxa de reprodução for menor do que 1, cada vez menos indivíduos se infectam e o número dos contágios retrocede. O Rt representa para quantas pessoas, em média, um indivíduo infectado transmite a doença. Segundo o Covid Analytics, as estimativas de Rt são calculadas a partir dos dados de casos e mortes divulgados diariamente.

De acordo com a ferramenta Covid Analytics, no Nordeste, os estados do Maranhão (1,11), Pernambuco (1,05), Sergipe (1,03) e Ceará (1) apresentam pior desempenho. Há cinco meses, a taxa de reprodução da Covid era maior em Sergipe de 1,72, seguido de Alagoas com o índice de 1,43.

Segundo informações do Ministério da Saúde, a taxa de mortalidade de Covid por cem mil habitantes é de 127,6 em Alagoas, uma das menores do Nordeste. Estão à frente apenas a Bahia e o Maranhão, respectivamente com 125,3 e 103,6.

Em relação à taxa de incidência da doença por cem mil habitantes, Alagoas registra 5.248,7 casos, maior apenas que o Maranhão (3.782,7) e Pernambuco (4.284,7). Mesmo com número ainda preocupantes de mortes e casos, o último relatório do Observatório Alagoano de Políticas Públicas para o Enfrentamento da Covid-19 (OAPPEC) aponta um controle da transmissão do vírus no estado nas últimas duas semanas. Uma tendência de desaceleração.

Mais matérias desta edição