Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 5755
Cidades

UFAL CAI 18 POSIÇÕES NO RANKING DE UNIVERSIDADES EMPREENDEDORAS

No Nordeste, instituição alagoana ficou em 14º lugar; UFRN é líder na região e 6ª no ranking geral

Por regina carvalho | Edição do dia 10/12/2021

Matéria atualizada em 10/12/2021 às 04h00

| Ascom Ufal

A Universidade Federal de Alagoas (Ufal) caiu da 41ª colocação, em 2019 (de 123 instituições), para a 59ª, em 2021, no ranking geral das universidades empreendedoras. Este ano foram avaliadas 126 unidades na escala de classificação, com estudo elaborado pela Confederação Brasileira de Empresas Juniores. O primeiro lugar ficou com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que obteve a pontuação 7,36.. Das outras universidades públicas instaladas em Alagoas, a Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal) ficou em 51ª lugar e a Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), em 115º lugar. Em 2020 não houve publicação do ranking. No Nordeste, foram ranqueadas 33 instituições de ensino superior: 19 universidade federais; 13 estaduais e uma particular. A Ufal ficou na 14ª colocação, sétimo estado da região com pior desempenho. O primeiro ficou com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que ocupa também a sexta colocação no ranking geral, seguido das federais do Ceará e de Pernambuco.

ENSINO REMOTO

O Movimento Empresa Júnior (MEJ) é composto por empresas juniores e estudantes, com o auxílio de voluntários, parceiros e organizações, partindo da perspectiva discente. O levantamento é feito através da coleta e análise de dados de três diferentes fontes: uma pesquisa de percepção, respondida por estudantes de graduação de todo o país, a obtenção de dados por meio de bases de dados secundárias e informações prestadas pelas próprias universidades participantes. “Agora em 2021, o desafio de retratar um ano de pandemia global, tal como a gestão e a adaptação que a educação teve que presenciar, não foi fácil. Mesmo assim conseguimos a melhor versão desse projeto conjunto, com a participação de 126 universidades ranqueadas, presentes nas 27 unidades federativas e consultando mais de 24 mil universitários. Além da metodologia consolidada, conseguimos também diagnosticar alguns efeitos e resultados do ensino remoto emergencial”, informa trecho do levantamento.

IMPACTO DA PANDEMIA

O incentivo ao empreendedorismo dentro da universidade é o foco do levantamento, que mostrou o impacto dos resultados durante a pandemia do novo coronavírus. “Para além das vacinas, as universidades foram responsáveis pelo desenvolvimento de testes inovadores e por disponibilizarem sua infraestrutura, em especial laboratórios de alto nível de segurança, para testarem novos fármacos e tecnologias inovadoras para combater o vírus. Longe de ser taxativo com as iniciativas lideradas pelas universidades para combater a pandemia”, informa trecho do relatório.

DIMENSÕES AVALIADAS

O levantamento avalia as chamadas dimensões, distribuídas da seguinte forma e que tiveram como destaque: Cultura Empreendedora (Universidade da Integração Internacional da Lusofobia Afro-brasileira – Ceará); Inovação (Universidade Estadual de Campinas/SP) e Extensão (Universidade de São Paulo), que tendem a medir o que substancialmente influencia no grau de empreendedorismo de uma universidade.

São citadas também como dimensões avaliadas a Internacionalização (Universidade de São Paulo), Infraestrutura (Universidade do Vale do Taquari, Rio Grande do Sul) e Capital Financeiro (Universidade Estadual de Campinas) que são aqueles que medem os meios, proporcionando as melhores condições para o desenvolvimento do protagonismo acadêmico. A reportagem fez contato com a assessoria de comunicação da Ufal, mas até o fechamento da edição não obteve resposta.

Mais matérias desta edição