Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Estação

‘LA NIÑA’ DEVE PROVOCAR INVERNO MAIS CHUVOSO, DIZ ESPECIALISTA

O fenômeno é causado pelo resfriamento anormal das águas do oceano Atlântico

Por ANNA CLÁUDIA ALMEIDA | Edição do dia 21/06/2022

Matéria atualizada em 20/06/2022 às 23h57

Inverno: no período da manhã são comuns as formações de nevoeiros em Alagoas
Inverno: no período da manhã são comuns as formações de nevoeiros em Alagoas | Arquivo GA

Frio mais intenso, chuvas constantes e baixas temperaturas no outono deram o sinal de que os próximos meses também devem ser de clima mais gelado que o habitual em Alagoas. O inverno começa oficialmente hoje (21) e, segundo a meteorologia, será um período mais rigoroso em 2022, com essas condições climáticas se repetindo com mais frequência. O responsável pelas baixas temperaturas são as subidas de massas de ar polares oriundas do Sul do país e com o efeito chamado de La Niña favorecem ao regime de chuvas mais significativas e constantes na região. Esse fenômeno é causado pelo resfriamento anormal das águas do oceano Atlântico e isso acarreta acentuando eventos climáticos extremos. Segundo o meteorologista Henrique Mendonça, da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), essa estação é marcada pelo período mais chuvoso sobre a região Leste do Nordeste. “O inverno está dentro da nossa quadra chuvosa. Além disso, há uma menor incidência de radiação solar, então essa estação é caracterizada também pelas incursões ou subidas de massas de ar frios, oriundas do Sul do continente e isso derruba as temperaturas aqui na região e isso já foi registrado nos últimos dias algumas cidades daqui de Alagoas onde tivemos máximas de 23.9º graus. Durante a estação, em funções de inversão térmicas também, no período da manhã são comuns as formações de nevoeiros em Alagoas como também já registrados em alguns municípios”, colocou. As temperaturas mínimas, nesta nova estação, deve ficar em torno de 20 graus no Litoral, Zona da Mata e Baixo São Francisco; já no Agreste e Sertão, podem chegar em 17 graus, típico dessa época do ano. O meteorologista afirma que, neste período, as chuvas ficarão acima da média climatológica para toda a região litorânea do Nordeste. “Isso acontece por ocasião de duas condições: os impactos do efeito ‘La Niña’ sobre a Região Nordeste, que favorece ao regime de chuvas, e também pelos padrões termodinâmicos, ou seja, pelos padrões de aquecimento das águas do Atlântico. Quanto mais quente estiver a água, mais evaporação e isso é combustível fundamental para formações das chuvas na região. Com certeza, 2022, no aspecto chuvas, será mais rigoroso que o inverno de 2021”, acrescentou Mendonça.

Sobre a concentração de chuvas, o meteorologista explica que elas estarão mais concentradas na região litorânea de Alagoas, Zona da Marta e Baixo São Francisco. “Mas podem sim atingir Sertão e Agreste como já tivemos registros em dias anteriores. De forma geral, a região sertaneja, neste período do inverno, receberá um quantitativo de chuvas expressivo”.

A população alagoana sofreu vários impactos com as chuvas registradas no final do mês de maio, com números chegando a quase 20 mil pessoas desabrigadas ou desalojadas no estado. E por isso, com a atenção da Defesa Civil do Estado e Corpo de Bombeiros é constante e deve se intensificar na nova estação. “Esse é o período onde emitimos mais alertas para Alagoas, principalmente para as regiões da metade leste do estado. Nosso monitoramento segue contínuo e caso seja necessário vamos enviar alerta meteorológico e hidrológicos por ocasião das chuvas para a região. O volume de chuva esperado para 2022 será bem superior ao que registramos no mesmo período do ano passado”, concluiu Henrique Mendonça.

Mais matérias desta edição