Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Exportações

BALANÇA COMERCIAL ALAGOANA TEM DEFICIT DE R$ 1,96 BI EM 2020

No ano passado, o Estado exportou US$ 303,7 milhões, contra os US$ 665,5 milhões movimentados pelas importações no período

Por Carlos Nealdo | Edição do dia 09/01/2021

Matéria atualizada em 08/01/2021 às 19h38

Somente em dezembro, o deficit da balança comercial alagoana foi de US$ 29,9 milhões
Somente em dezembro, o deficit da balança comercial alagoana foi de US$ 29,9 milhões | Arquivo ga

A balança comercial de Alagoas, medida pela diferença entre as exportações e importações, encerrou o ano passado com um deficit de US$ 361,7 milhões — o equivalente a R$ 1,96 bilhão no câmbio atual. De acordo com os dados divulgados nesta sexta-feira (8), pela Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, em 2020 o Estado exportou US$ 303,7 milhões, contra US$ 665,5 milhões movimentados pelas importações. Somente em dezembro, a balança comercial alagoana registrou um deficit de US$ 29,9 milhões —cerca de R$ 162,3 milhões no câmbio atual. O valor é o resultado entre os US$ 40,2 milhões exportados e os US$ 70,1 milhões movimentados com as importações. Segundo o levantamento do Ministério da Economia, no ano passado as exportações feitas por Alagoas registraram uma retração de 4,7% na comparação com 2019, quando as exportações renderam US$ 319 milhões. Já as importações ficaram estáveis na passagem de um ano para o outro. Em todo o País, a queda das importações em ritmo maior que o recuo das exportações fez a balança comercial encerrar 2020 com superavit maior do que em 2019. No ano passado, o Brasil exportou US$ 50,995 bilhões a mais do que importou, alta de 6,2% em relação ao superavit observado em 2019. Pelo critério da média diária, que divide o saldo total pelo número de dias úteis, o crescimento somou 7%. O superavit brasileiro cresceu pela primeira vez depois de dois anos seguidos de queda. Em 2017, o indicador bateu recorde, atingindo US$ 66,989 bilhões. Depois disso, o superavit caiu para US$ 58,033 bilhões em 2018 e US$ 48,035 bilhões em 2019. No ano passado, o Brasil exportou US$ 209,921 bilhões, com recuo de 6,1% em relação a 2019 pelo critério da média diária. As importações somaram US$ 158,926 bilhões, com retração de 9,7% também pela média diária. Como as compras do exterior caíram mais do que as vendas, o saldo comercial cresceu no acumulado do ano. Por causa da pandemia da covid-19, o Brasil passou a exportar menos à medida que o consumo mundial caiu. Em contrapartida, o país também passou a comprar menos do exterior por causa da alta de quase 30% do dólar no ano passado.

DEZEMBRO

O superavit da balança comercial poderia ter sido maior não fosse o desempenho de dezembro. No mês passado, o Brasil registrou saldo negativo, importando US$ 42 milhões a mais do que exportando. O recuo das exportações em dezembro foi puxado pela agropecuária, cujas vendas para o exterior caíram 21,4% no mês passado em relação ao mesmo mês de 2019. Isso se deve à antecipação de embarques de diversos produtos, como soja (-91,7%) e arroz com casca ou bruto (-99,6%). Como as vendas se concentraram até novembro, os embarques caíram no mês seguinte. As exportações da indústria extrativa encolheram 8,8% em dezembro, puxada por minérios de alumínio (-56,3%) e por óleos brutos de petróleo (-57,1%). Somente as exportações da indústria de transformação cresceram no mês passado, tendo subido 0,9% na comparação com dezembro de 2019. As principais altas foram registradas no açúcar processado, com aumento de 103,3%, no ouro processado (+56%) e nos combustíveis (+48,9%). as informações são da Agência Brasil

Mais matérias desta edição