Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Combustíveis

PREÇO DA GASOLINA AFASTA CONSUMIDORES DE POSTOS

.

Por Pâmela de Oliveira | Edição do dia 12/01/2021

Matéria atualizada em 11/01/2021 às 19h52

Após a alta de 1,97% no preço médio da gasolina em dezembro de 2020 fazer com que Alagoas fosse classificado como o estado com uma das gasolinas mais cara do país por um levantamento feito pela ValeCard, gerentes e proprietários de postos de combustíveis da capital relatam que caiu o movimento dos clientes nos postos. Joseildo da Silva, gerente de um posto de combustível localizado no bairro do Prado, em Maceió, conta que o aumento já refletiu em uma baixa na procura dos clientes. “Sentimos a queda nas vendas neste início de ano dos consumidores de rua, que são aqueles que passam pelo posto, estes nós temos sentido mais a queda e o que tem ajudado nas vendas é a alta temporada de turistas. A melhora na procura vai depender dos próximos aumentos que já estão previstos”, contou.

Em Alagoas, a gasolina comum teve média de preço de R$4,96 nos primeiros dias em janeiro. Em novembro, o preço pago era de R$4,86. Em Maceió, ainda é possível encontrar o combustível por até R$4,59 em postos da capital. Apesar do preço abaixo da média no estado, proprietários e gerentes relatam queda nas vendas e a dificuldade em não repassar o aumento para consumidores.

“Os preços estão sim muito altos e com o aumento da gasolina o consumo se retrai. Atualmente contamos trabalhando com um preço de compra de R$4,40 e precisamos de uma margem de lucro bruto de pelo menos 20% para arcar com todas as despesas e ter algum pequeno lucro”, disse Wellington Alves, proprietário de um posto de combustível na capital. Em nota, o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo (Sindicombustíveis-AL), afirmou que não faz o acompanhamento da variação nem dos valores cobrados nos postos do Estado e que não opina e nem interfere em questões relacionadas a preços de combustíveis, prezando pela livre concorrência e pela livre iniciativa.

* Sob supervisão da editoria de Economia.

Mais matérias desta edição