Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Veículos

CONCESSIONÁRIAS DE AL DEVEM TER PERDA DE 12% NAS VENDAS

.

Por william makaisy | Edição do dia 13/01/2021

Matéria atualizada em 12/01/2021 às 20h18

O encerramento das atividades da Ford no Brasil, anunciado pela montadora na segunda-feira (11), deve provocar uma redução entre 10% e 12% nas vendas de automóveis nas concessionárias da marca em Alagoas. O percentual representa cerca de dois mil veículos a menos nas 20 mil unidades vendidas anualmente no Estado. Segundo o presidente do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos de Alagoas (Sincodiv/AL), Luiz Pires, a notícia do fechamento das fábricas no Brasil pegou todos de surpresa e é de extrema preocupação, considerando os prejuízos que podem acarretar para o país como um todo. “Estamos tentando conversar com o pessoal da Ford para tentar uma remediação dessa decisão, mas é improvável que aconteça. Não sabemos como será daqui para frente, com as estruturas que já estão montadas”, disse. A empresa, que encerrou 2020 como a quinta que mais vendeu carros no país, com 7,14% do mercado, possui um mercado forte em Alagoas, sendo responsável por 10% a 12% da produção anual de veículos, de acordo com o presidente do Sincodiv/AL. “Por média, nos últimos 3 anos, vendemos de 23 mil a 25 mil veículos por ano. No ano passado, como atípico, ficamos com 19 a 20 mil. 10% disso seriam 2 mil veículos que deixarão as concessionárias do estado. É um número muito alto”, explicou. “É uma perda de dois mil veículos ao ano para as concessionárias, e se formos olhar mensalmente, é uma redução em torno de 170 a 200 veículos. É aí que fica o perigo, porque essa receita de venda de 200 automóveis ao mês é o que dá a sustentação e o lucro desses estabelecimentos. Sem isso, esses quadros de vendas basicamente desaparecem”, ressalta.

PREJUÍZO

Apesar de não ser possível mensurar um prejuízo em números ainda, o presidente adiantou que ele será grande e acarretará, possivelmente, em uma redução nos quadros de funcionários de algumas concessionárias alagoanas. “A perda é muito grande. Acredito que 60% a 70% do volume das vendas de concessionários do Brasil são de produtos que deixarão de ser produzidos, como Ford Ka ou EcoSport. Produtos assim encabeçam a lista de vendas de concessionárias”, diz. Até que eles venham a ser substituído por outros produtos, que provavelmente virão de outro país e ainda terão que ganhar a confiança do público, vai demorar”, completa. Segundo Luiz Pires, as concessionárias Ford de Alagoas devem permanecer abertas com a venda de peças e assistência técnica. “Ou seja, para as concessionárias, uma grande perda”, disse o presidente.

* Sob supervisão da editoria de Economia.

Mais matérias desta edição