Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
temporada

UM TERÇO DOS BARES E RESTAURANTES PRETENDE CONTRATAR ATÉ DEZEMBRO

Levantamento indica que mais da metade desses estabelecimentos tiveram faturamento maior em agosto

Por regina carvalho | Edição do dia 23/10/2021

Matéria atualizada em 22/10/2021 às 17h56

A partir deste sábado estabelecimentos não terão mais horário limite para funcionamento
A partir deste sábado estabelecimentos não terão mais horário limite para funcionamento | Ailton Cruz

Pesquisa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel/AL) mostra que um terço das empresas desse setor em Alagoas pretende contratar mais funcionários até dezembro. O levantamento indica ainda que mais da metade desses estabelecimentos tiveram faturamento maior em agosto de 2021, comparado ao mesmo mês no ano passado. Entretanto, 27% informaram ainda operar com prejuízo, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, percentual que caiu em relação ao período anterior.

Em relação ao número de empresas com pagamentos em atraso, o percentual chegou a 56% e, dos 95% dos estabelecimentos que estão no simples nacional (sistema de tributação simplificada), 52% devem pelo menos uma parcela.

“A maioria das empresas vão contratar para compor o quadro. Existem alguns segmentos que estão bem, melhorando o movimento. Entretanto os bares, baladas e lanchonetes de fim de noite estão prejudicadas face ter que fechar mais cedo (restrições do decreto vigente)”, informou o presidente da Abrasel em Alagoas, Brandão Júnior.

De acordo com a Abrasel, os fechamentos e restrições forçaram as empresas que sobreviveram à pandemia a se adaptar. “A diminuição de quadro vem de melhorias, como maior automação e aprimoramento de processos em relação a novas preferências dos consumidores, mas também da necessidade de cortar custos”, informa trecho da pesquisa.

Pelo menos 38% dos representantes das empresas responderam à entidade que estão ajustadas e prontas para retomada, mesmo com o fim do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEM), programa instituído pelo governo federal para enfrentamento da Covid-19.

Segundo relatos dos empresários, o encerramento do programa federal pode levar mais da metade dos estabelecimentos a reduzir despesas, principalmente no quadro de empregados (29%) ou então para evitar os desligamentos podem adiar a implantação de melhorias, inovação e crescimento (22%) ou reduzir investimentos em áreas estratégicas como marketing, qualidade e TI (11%). Na avaliação do empresário Thiago Falcão, proprietário de dois restaurantes em Maceió e que já atuou como presidente da Abrasel/AL, o setor de bares e restaurantes está se recuperando após a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. “Pelo que tenho acompanhado, os bares, por exemplo, têm registrado uma boa movimentação. Já em relação aos restaurantes depende mais do perfil de quem frequenta. Os que atendem mais turistas têm garantido uma boa recuperação”, explica. Thiago Falcão detalha que lanchonetes, cafeterias e restaurantes com perfis mais comercial que não tenha bebidas alcoólicas apresentam recuperação, mas inferior aos estabelecimentos daqueles que oferecem bebida alcoólica. “Nesse caso está faturando bem, com movimento bom, uma recuperação mais acelerada. Na minha opinião, o encolhimento de salários não está influenciando no consumo de bebida alcoólica”, detalha. “Um restaurante meu tem um perfil mais comercial, na Casa da Indústria, no Farol, e o da Ponta Verde recebe muitos idosos. Então dentro do perfil do meu restaurante a recuperação ainda não foi plena, ainda estou faturando uns 20% a menos que antes da pandemia”, finaliza.

NOVO DECRETO

A partir deste sábado, bares e restaurantes não terão mais horário limite para funcionamento. Por meio das redes sociais, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Alagoas (Abrasel/AL) comemorou a nova medida. “Recebemos a notícia de que a partir da 0h do próximo sábado, 23, o setor de alimentação fora do lar poderá funcionar sem as restrições de horário que limitaram o funcionamento do segmento nos últimos meses”. A ampliação das flexibilizações acompanha o avanço da vacinação contra a Covid-19, após o envio de mais de 4,6 milhões de doses do governo federal.

Mais matérias desta edição