Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 5750
Combustíveis

PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS EM ALAGOAS AUMENTA 51% EM 2023

O acumulado deste ano é de 80.762 barris de óleo equivalente por dia, ante 53.515 barris nos oito primeiros meses de 2022, segundo a ANP

Por Hebert Borges | Edição do dia 07/10/2023

Matéria atualizada em 07/10/2023 às 04h00

Boletim da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgado na terça-feira (3) aponta que a produção de petróleo e gás natural de Alagoas aumentou 51% nos oito primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. O acumulado deste ano é de 80.762 barris de óleo equivalente por dia, ante 53.515 nos oito primeiros meses de 2022.

Em todo Brasil, os dados consolidados da produção nacional apontam que a produção total (petróleo + gás natural) foi de 4,392 milhões de barris de óleo equivalente por dia (MMboe/d). Com relação ao petróleo, foram extraídos 3,462 milhões de barris por dia (MMbbl/d), uma redução de 1,4 % na comparação com o mês anterior e aumento de 12,2% em relação a agosto de 2022.

A produção de gás natural em agosto foi de 147,86 milhões de metros cúbicos por dia (MMm³/d). Houve queda de 4,0 % frente a julho de 2023 e elevação de 5,6% na comparação com agosto de 2022.

Em Alagoas, o boletim mostra que, somente em agosto, a produção teve alta de 111%, saindo de 5.215 barris por dia em agosto do ano passado, para 11.019 barris por dia em agosto deste ano. O boletim aponta que julho foi o melhor mês para a produção em Alagoas, com 11.930 barris por dia. Desde junho que a produção está acima de 11 mil barris por dia.

Segundo a ANP, Alagoas conta com 10 poços produtores. O boletim mostra que um dos poços de Alagoas está entre os 30 poços terrestres mais produtivos do Brasil. Trata-se do poço 7-PIR-277D-AL, em Pilar, na Região Metropolitana de Maceió, e que produz 252 barris de petróleo por dia. O mais produtivo fica no campo de Tiê, na bacia do Recôncavo, e produz 658 barris por dia.

Em todo o Brasil, a produção total no pré-sal, em agosto, foi de 3,282 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d) e correspondeu a 74,7% da produção brasileira. Esse número representa uma redução de 2,3% em relação ao mês anterior e aumento de 10,6% na comparação com o mesmo mês de 2022. Foram produzidos 2,591 milhões de barris diários (bbl/d) de petróleo e 109,73 milhões de metros cúbicos por dia (m³/d) de gás natural por meio de 141 poços.

Em agosto, o aproveitamento de gás natural foi de 97,5%. Foram disponibilizados ao mercado 53,05 milhões de m³/d e a queima foi de 3,77 milhões de m³/d. Houve queda de 11,8%, na queima, em relação ao mês anterior, e aumento de 14,4% na comparação com agosto de 2022.

Em agosto, os campos marítimos produziram 97,7% do petróleo e 86,1% do gás natural. Os campos operados pela Petrobras, sozinha ou em consórcio com outras empresas, foram responsáveis por 88,30% do total produzido. A produção teve origem em 6.335 poços, sendo 522 marítimos e 5.813 terrestres.

No mês de agosto, o campo de Tupi, no pré-sal da Bacia de Santos, foi o maior produtor de petróleo e gás, registrando 760,16 mil bbl/d de petróleo e 35,41 milhões de m³/d de gás natural. A instalação com maior produção de petróleo e gás natural foi a FPSO Guanabara na jazida compartilhada de Mero, com 180,555 mil bbl/d de petróleo e 11,61 milhões de m³/d de gás.

Mais matérias desta edição