Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
FATOS & NOTÍCIAS

Confira os destaques da política alagoana #FN31072021

.

Por FATOS & NOTÍCIAS | Edição do dia 31/07/2021

Matéria atualizada em 30/07/2021 às 21h41

A construção de vários blocos de apartamentos na orla lagunar, que vai beneficiar 1.700 famílias que vivem na região, com recursos oriundos do governo federal, esconde a triste realidade de uma área que deveria ser produtiva, contribuir para o sustento dos que ali sobrevivem da pesca e tornar-se um exemplo de cidadania.

Os bolsões de miséria instalados no conhecido Dique-Estrada, além do desassoreamento da Lagoa Mundaú, deveriam ser a prioridade das autoridades. Os poucos passos iniciais de alguns projetos escondem a situação degradante da região e as condições sub-humanas de uma população que já ultrapassou as mais de 200 mil famílias.


QUAL SOLUÇÃO?

O que fazer para salvar a população que vive em seu entorno e que passa por seriíssimas dificuldades? Qual a política séria adotada pelas autoridades para desassorear sistema lagunar para que a lagoa não morra e tenha vida própria? Uma série de interrogações deve ser respondida pelos governantes e que eles apresentem uma solução definitiva para a situação, em vez da realização de minúsculas obras na periferia e que cheira a interesses políticos, como tem feito ultimamente o governo do Estado.


REFLEXO

Ao longo de décadas, o Dique-Estrada, como é conhecido o entorno da Lagoa Mundaú, em Maceió, serviu para facilitar o escoamento do tráfego, oferecer moradias decentes à população ribeirinha e garantir a pesca artesanal. Mas o que se viu, até agora, foi o abandono quase total do governo, com exceção de alguns projetos residenciais que têm a participação efetiva do governo federal.


EXPECTATIVA

O retorno às atividades de plenário na Assembleia Legislativa na próxima terça-feira, dia 3, é visto com muita expectativa pela classe política. Nessa nova legislatura, muita coisa pode acontecer, desde a convocação de alguma autoridade para explicar bem alguma demanda, como o caso da compra dos respiradores, como também de requerimentos feitos no primeiro semestre e que colocam o Estado no canto da cerca.


FERVILHANDO

Nos bastidores, o caldeirão sobre as eleições do próximo ano começa a fervilhar com mais intensidade. Com muitas indefinições até mesmo sobre a desincompatibilização ou não do governador do Estado, as eleições de 2022 ainda são uma incógnita.


ACORDÃO

Há quem diga de que poderá haver um acordão para o lançamento de um candidato ao governo no próximo ano, mesmo que alguns setores de oposição não participem das composições políticas.


SEM RETROCESSO

Ao garantir que se vai ter eleições “limpas e transparentes em 2022, 2024 e 2026”, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira também vem admitindo para que a proposta do voto impresso seja discutida por uma comissão especial. O objetivo é que o voto seja guardado para verificação em caso de haver alguma dúvida sobre sua legitimidade.


PREPARE O BOLSO

A partir deste domingo, o preço do botijão de gás deverá ultrapassar os R$ 100 em todos os pontos de venda do produto em Alagoas. O reajuste é de mais ou menos 7% e deve comprometer 10% de quem sobrevive com um salário mínimo. O preço do gás, assim como dos outros combustíveis, está atrelado ao preço internacional do petróleo.


SEM FREIO

Além do reajuste do botijão de gás, o preço dos combustíveis continua sofrendo com o ICMS aplicado pelo governo do estado. São, simplesmente, 27% do imposto e mais 2% do Fecoep.


» Sem ainda ter construído um candidato para disputar as eleições majoritárias de 2022 como aconteceu com administrações passadas, o governo do estado sabe que a tarefa não será nada fácil.

» Em silêncio, o prefeito JHC que está sendo bem avaliado na sua administração, corre por fora como um candidato com potencial para disputar o governo de Alagoas.

» Resta saber se JHC abdicaria de mais de dois anos de mandato como prefeito de Maceió para se aventurar a nova batalha eleitoral.

» Forte, o grupo de deputados liderado pelo presidente Marcelo Victor na Assembleia Legislativa já discute as eleições majoritárias de 2022.

Mais matérias desta edição