Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Fatos & Notícias

Confira os destaques da política alagoana #FN16102021

.

Por FATOS & NOTÍCIAS | Edição do dia 16/10/2021

Matéria atualizada em 15/10/2021 às 22h09

Depois do desastre provocado pela Braskem, em que milhares de pessoas foram atingidas e três bairros praticamente desapareceram do mapa, urge que as autoridades, em quaisquer novos projetos em nome do desenvolvimento, se debrucem e estudem sobre os efeitos que possam causar.

É o caso, por exemplo, do anúncio de novos empreendimentos, desta vez no Porto de Maceió, que poderá ser transformado em um Centro de Distribuição de Petróleo para o Nordeste, em tratativas que já estão bem avançadas. Existem riscos? Claro que existem e não são poucos, podendo, seus efeitos, acabar com o maior filé da geração de emprego e renda, que é o turismo.


AVALIAÇÃO

A história bonita que está sendo vendida tanto para o Porto de Maceió como para o governo de Alagoas merece muita reflexão. De um polo de desenvolvimento para uma catástrofe como aconteceu em outros estados, a exemplo da poluição em Cubatão, em São Paulo, é apenas um passo.


EMPREGO E RENDA

O projeto, vendido como a salvação da economia, a exemplo do que aconteceu há dezenas de anos com a Salgema Indústrias Químicas, deu no que deu. Três décadas depois, a catástrofe, em que dezenas de milhares de alagoanos ainda sofrem com a humilhação, o desespero e a desesperança.


O RISCO

O que nos resta, entretanto, é uma extensão imensurável de praias convidativas, com um povo receptivo e uma perspectiva de turismo crescente. Misturar pelo mar petróleo com áreas atrativas de lazer é apostar no escuro. A lição, inclusive, já foi aprendida.


ALERTA

O prefeito JHC conseguiu mais nove rotas da Companhia Aérea Azul para Maceió, mas não custa nada lembrar que, com a provável instalação de um Centro de Distribuição de Petróleo no Nordeste, através do Porto da Capital, certamente o setor turístico olha tudo isso com muita desconfiança.


AMEAÇA REAL

Já no final da pandemia, quando o município de Maceió começa a se recuperar das consequências danosas da infecção pelo coronavírus, que matou milhares de pessoas, eis que surge a notícia da Central de Distribuição de Petróleo, que poderá acarretar, em caso de acidente, como é previsível em empreendimentos desta natureza, graves e irreversíveis problemas para o meio ambiente.


GERAÇÃO DE RENDA

Como o turismo é a garantia da geração de emprego e renda para um estado que não tem lá muitas opções, nada melhor que o prefeito JHC ficar atento a essas investidas empresariais, em que certamente irão girar milhões de dólares em um negócio altamente lucrativo para a iniciativa privada.


VAZAMENTOS

Enquanto não se efetivam projetos que venham a beneficiar pequenos agricultores no semiárido alagoano, o Canal do Sertão começa a apresentar riscos, embora pequenos até agora, de vazamentos provocados por raízes das árvores na sua estrutura. Como o Estado não tem dado muito bola para um dos maiores projetos de fornecimento de água na região, é bom que as autoridades fiscalizem os danos que o Canal em sofrendo ao longo dos anos.


INTERESSE

O secretário de Infraestrutura do governo de Alagoas, Maurício Quintella, demonstrou grande interesse na criação de um Centro de Distribuição de Petróleo para o Nordeste no Porto de Maceió, durante a última reunião com empresários e políticos. Nesse encontro, todavia, em nenhum momento foi discutido a importância de um projeto de proteção ao meio ambiente para evitar catástrofes.


» Mesmo com todo alarde do governo no combate à violência, o número de crimes violentos aumentou nos últimos meses em todo o Estado.

» Depois de operações desastradas na capital e no interior, a Segurança Pública dá a impressão de que não tem conseguido frear os crimes de morte com tanto intensidade como havia feito antes.

» Desgastado pelas trapalhadas cometidas durante operações policiais, o secretário Alfredo Gaspar prepara o desembarque do governo de Renan Filho.

» A lista de auxiliares do governo do Estado que irão se candidatar no próximo ano cresce a cada dia. Pelo menos a metade dos secretários quer disputar um mandato na Assembleia Legislativa.

Mais matérias desta edição