Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Fatos & Notícias

CONFIRA OS DESTAQUES DA POLÍTICA ALAGOANA #FN25052022

.

Por FATOS & NOTÍCIAS | Edição do dia 25/05/2022

Matéria atualizada em 24/05/2022 às 21h53

As obras de investimentos, como defendeu há alguns meses o governo do Estado na construção de hospitais na capital e no interior, podem trazer dores de cabeça para o governador Paulo Dantas. Uma coisa é investir e outra é honrar os compromissos com equipamentos, material e folha de pessoal.

Trabalhando sem folga, o governo terá que encontrar soluções para que tudo seja solucionado e a população não volte a ter dificuldades e prejuízos na obtenção dos serviços públicos.

A situação de aperto vai se estreitando a cada dia, e o Estado terá que estimular a arrecadação para suprir todas as suas necessidades e fechar as contas.


REDUÇÃO DO ICMS

A proposta de redução do ICMS dos estados nas áreas de alimentação, energia elétrica, combustíveis, gás encanado e outros segmentos, que está para ser apreciada na Câmara Federal, deve melhorar a vida dos brasileiros. O objetivo é igualar de forma justa a arrecadação do tributo, onde alguns estados avançam mais do que devem e penalizam a população.


DISPARIDADE

Para se ter uma ideia da disparidade entre alguns estados e Alagoas, por exemplo, aqui é cobrada a bagatela de 27% de ICMS, enquanto o estado de São Paulo apenas aplica um percentual de 13%.


CALOTE

Os respiradores que nunca chegaram a Alagoas durante a pandemia e que sangraram os cofres públicos em mais de R$ 5 milhões são alvos de investigações desde a Polícia Federal até aos órgãos de fiscalização, como Ministério Público e a Corte de Contas. No Nordeste, o Consórcio que viabilizou o contrato levou pelo menos R$ 50 milhões dos estados.


SOBREPREÇO

Além dos respiradores que abriram um buraco profundo nas finanças do Estado, agora vem a denúncia do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, de que a compra de caminhões compactadores pelo governo de Alagoas teve um sobrepreço de pelo menos R$ 9 milhões.


O DINHEIRO SUMIU

Para o deputado Arthur Lira, essa dinheirama ninguém sabe para onde foi, e o governo do Estado é obrigado a esclarecer mais um processo nebuloso que corre longe das vistas da população.


VALOR MENOR

O superintendente da Codevasf, Joãozinho Pereira, denunciou que a gestão do ex-governador Renan Filho comprou 156 caminhões compactadores com sobrepreço e recursos do Fecoep, enquanto o governo federal adquiriu 110 máquinas e pagou bem menos por unidade. Se o governo de Alagoas tivesse aderido à ata de aquisições dos 156 caminhões pela Codevasf, teria poupado R$ 8,5 milhões dos cofres públicos.


RECONHECIMENTO

Ao contrário de muitos outros que se aproveitam da crise para conturbar ainda mais o ambiente, o senador Fernando Collor e o deputado Arthur Lira aplaudiram as ações do presidente Jair Bolsonaro para o estado de Alagoas, seja no apoio à população de baixa renda, seja nas obras fundamentais para o desenvolvimento de sua economia.


REPETITIVO

Passam-se os anos e os órgãos públicos se esquecem de fazer o dever de casa. Foi o caso do deslizamento de barreiras na Chã de Bebedouro, que, por pouco, não causou mortes. Como a prefeitura e o governo do estado não fazem um trabalho permanente de proteção das encostas, a solução é acionar a Defesa Civil, pagar aluguel temporário e outras pequenas intervenções, sem soluções mais profundas para o problema.

» A Polícia Científica de Alagoas alertou que, dois mais de 1.500 casos de pessoas desaparecidas que foram registrados no Estado, menos de 10% das famílias trouxeram para o projeto Desaparecidos amostras de material genético, que devem fazer parte da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG). » As amostras são importantes para que possam ser feitas buscas em vínculos genéticos entre familiares e corpos não identificados nos IMLs. Além disso, pessoas vivas sem identificação que moram em abrigos ou albergues e hospitais. » O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) abriu ontem (24) processo seletivo para contratação temporária de 133 profissionais que trabalharão no Censo 2022. As vagas são para agente censitário de administração e informática, distribuídas em 114 municípios de 14 estados.

Mais matérias desta edição