Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Imobiliário

Mercado Imobiliário demostra otimismo para 2022

.

Por Editoria do Imobiliário & Construção | Edição do dia 23/10/2021

Matéria atualizada em 22/10/2021 às 22h14

Especialistas do mercado imobiliário apontaram, durante o 93º Encontro Nacional da Indústria da Construção realizado no período de 18 a 21 de outubro, os desafios das empresas do mercado imobiliário para 2022, como a adequação dos custos de construção, o aumento das taxas de juros e a burocracia, em painel online que tratou do tema.

Ao abordar a estratégia desafiadora do mercado imobiliário para o próximo ano, o diretor da Plaenge, Fernando Fabian, destacou que a empresa está atenta à situação, mas ligeiramente otimista. “O mercado imobiliário se comportou bem durante a pandemia. Apesar da volatilidade, no acumulado do ano passado e deste ano, o resultado é positivo”, disse.

Por outro lado, ressaltou os impactos dos aumentos dos materiais de construção desde o início da pandemia. “O custo real do imóvel aumentou 6 a 7% além do INCC. Quando se trabalha com o imóvel na planta, isso traz incertezas”, enfatizou.

O presidente da Direcional, Ricardo Ribeiro Valadares Gontijo, acrescentou que, do ponto de vista de demanda estrutural por habitação, o cenário é positivo. No entanto, reforçou dois pontos de atenção: custos e juros, em relação ao impacto dessas duas variáveis, tanto no segmento do Casa Verde Amarela quanto no de mercado.

Gontijo salientou que a demanda continua sólida, o crédito continua disponível, mas tem uma luz amarela. “O percentual de aumento de custos foi sentido nos segmentos Casa Verde e Amarela e de mercado, o que tem exigido um aumento de preço para operar com o mínimo de retorno que justifique a atuação e riscos no mercado imobiliário”. Além disso, reforçou que, no cenário de aumento de taxas de juros, preocupa saber qual será o impacto disso no custo do crédito imobiliário. “A Caixa tem tido um papel bastante relevante na manutenção dos patamares de atuação e desenvolvimento do setor, sem um grande impacto da Selic ou da taxa pré-fixada”.

Mais matérias desta edição