Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Opinião

O VOLÚVEL

.

Por Alberto Rostand Lanverly - presidente da Academia Alagoana de Letras | Edição do dia 07/04/2021

Matéria atualizada em 06/04/2021 às 21h47

Contam os mais antigos que o pai de Jesualdo em sua época de solteiro era muito namorador.

Habitual frequentador do então boêmio bairro de Jaraguá, tinha na boate Tabariz de propriedade do lendário Benedito Mossoró, o seu ponto predileto para encontrar meninas da vida fácil. A sua predileta era Gerusa, uma morena de lábios carnudos, corpo de violão e longos cabelos negros como a asa da graúna. Ao menos duas vezes na semana eles se encontravam reservadamente, colocando os desejos em dia. Cada vez mais a garota parecia apaixonada, enquanto o galã, todo convencido procurava divertir-se. Aproximando-se o dia do seu casamento, resolveu colocar um ponto final no caso mantido com a doce Gerusa, que raivosa, não aceitando a péssima notícia, recolheu-se a seus aposentos no segundo pavimento do casarão, sem antes trazer consigo um latão de querosene que abastecia a geladeira, derramou no corpo, da cabeça aos pés, tocou fogo e se jogou das alturas, caindo na calçada externa, além de queimada, morta. A notícia foi um escândalo. Mas tudo se resolveu. Os tempos passaram, Jesualdo, mais cauteloso, apesar de haver herdado do genitor, o sangue de conquistador, tentava ser comedido em suas ações.

Era conhecido por seus mais íntimos como “Jotinha, o come quieto”. Em um desses governos passados, Jesualdo foi convidado para ser o titular de uma importante Secretaria do Estado. No dia de sua posse, conheceu aquela que seria a sua assistente direta, segundo ele me falou: cabelos cor do sol, autentica filha de Apolo, uma semideusa, mulher encantadora e charmosa.

Foi amor à primeira vista. Viajavam juntos para o interior, despachavam em boates e motéis até altas horas da noite. Acontece que um dia, falou ele, a vontade de beijá-la era tanta, que apesar da sala de espera do seu gabinete estar repleta de pessoas para serem atendidas, resolveram dar um amasso. E se deitaram sobre o birô, que não aguentou o peso dos dois e caiu, fazendo o maior barulho. Foi uma loucura para vestirem suas roupas antes que curiosos aparecessem. Até hoje ele jura, que estava sentado em sua cadeira despachando, quando a mesa a sua frente despencou. Só a mim contou a verdade. Em outra oportunidade, estava com minha esposa, filhas, inclusive meus pais em um dos restaurantes mais populares de Maceió, sempre cheio de clientes, quando vi Jesualdo estacionar o seu carro e descer de mãos dadas com uma garota.

Imaginei tratar-se de sua esposa, que respondia pelo nome de Generosa, muito amiga de todos em minha casa, mas na realidade, era uma guapa cidadã, muito conhecida na cidade, por trabalhar como repórter. E o pior, ao me enxergar, veio ao meu encontro e quase gritando falou: - Rostanzinho, amigo, precisamos nos encontrar para colocarmos os assuntos em dia. Eu quase morro de vergonha.

Jesualdo é um fiel exemplo da máxima: “quem herda não furta”

Mais matérias desta edição