Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 4227
Política

LULA LIVRE

Ex-presidente também chama Bolsonaro de “mentiroso” e anuncia que vai se casar e sair em caravana para percorrer todo o Brasil

Por Ana Beatriz Gonçalves/Folhapress | Edição do dia 09/11/2019

Matéria atualizada em 11/11/2019 às 16h56

Lula falou em “safadeza” e “canalhice” do que chamou de “lado podre” do Ministério Público Federal e Polícia Federal
Lula falou em “safadeza” e “canalhice” do que chamou de “lado podre” do Ministério Público Federal e Polícia Federal - Foto: Divulgação
 

Curitiba, PR - Minutos após ter sido solto, em palanque armado diante da sede da Polícia Federal em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um discurso de forte ataque à Lava Jato e setores do Judiciário. O petista falou em “safadeza” e “canalhice” do que chamou de “lado podre” de Ministério Público Federal, Polícia Federal, Justiça e Receita Federal. Setores que, segundo ele, trabalharam para criminalizar a esquerda, o PT e o próprio Lula.“Vocês eram o alimento da democracia que eu precisava para resistir à safadeza e à canalhice que um lado podre do estado brasileiro fez comigo e com a sociedade brasileira”, disse o ex-presidente à militância. “O lado podre da justiça, o lado podre do Ministério Público, o lado podre da Polícia Federal e o lado podre da Receita Federal trabalharam para tentar criminalizar a esquerda, criminalizar o PT, criminalizar o Lula.” O ex-presidente também atacou o ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro (PSL), e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato. “Eu saio daqui sem ódio. Aos 74 anos meu coração só tem espaço para amor porque é o amor que vai vencer neste país”, disse, diante de aplausos dos militantes presentes. “As portas do Brasil estarão abertas para que eu possa percorrer este país”, disse o petista, que criticou a situação do desemprego do país e se referiu a Bolsonaro como “mentiroso” em redes sociais. Após investigação e denúncia da Lava Jato de Curitiba, o petista foi condenado por Moro sob a acusação de aceitar a propriedade de um tríplex, em Guarujá, como propina paga pela OAS em troca de três contratos com a Petrobras, o que ele sempre negou. A pena de Lula, depois confirmada pela segunda instância no Tribunal Regional Federal, foi definida pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) em 8 anos, 10 meses e 20 dias.No discurso, Lula agradeceu os militantes que permaneceram em vigília durante todo o período que esteve preso. O petista foi solto na tarde de sexta-feira, após 580 dias preso na sede da Superintendência da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba. “Vocês não têm dimensão do significado de eu estar aqui junto com vocês. Em minha vida inteira estive conversando com o povo brasileiro, eu não pensei que no dia de hoje eu poderia estar aqui conversando com homens e mulheres que durante 580 dias gritaram “bom dia, Lula”, gritaram “boa tarde, Lula”, gritaram “boa noite, Lula”, não importa que estivesse chovendo, não importa que estivesse 40 graus, não importa que estivesse zero graus”, disse. A soltura do ex-presidente ocorreu um dia após o Supremo Tribunal Federal ter decidido, por 6 votos a 5, que um condenado só pode ser preso após o trânsito em julgado (o fim dos recursos). Isso alterou a jurisprudência que, desde 2016, tem permitido a prisão logo após a condenação em segunda instância. A soltura de Lula foi determinada pelo juiz federal Danilo Pereira Junior.A decisão foi publicada às 16h15, e o petista deixou a sede da PF às 17h40. celebração Em Maceió, petistas e até integrantes de outros partidos de esquerda aproveitaram para celebrar a soltura do ex-presidente, que disse que vai casar após deixar a cadeia e também vai percorrer o país em caravana, para se aproximar da população.

Lula falou em “safadeza” e “canalhice” do que chamou de “lado podre” do Ministério Público Federal e Polícia Federal
Em Maceió, petistas comemoraram a soltura do ex-presidente Lula em Jaraguá, bairro onde também acontece a Bienal

Mais matérias desta edição