Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Política

TRE/AL GARANTE INVIOLABILIDADE DE URNA E REBATE NOTÍCIAS FALSAS

Corregedor admite falhas técnicas em mais de 100 urnas, mas garante a lisura do pleito em Alagoas

Por arnaldo ferreira | Edição do dia 21/11/2020

Matéria atualizada em 20/11/2020 às 21h44

Corregedor-eleitoral Otávio Praxedes diz não acreditar na anulação da eleição em nenhuma cidade do estado
Corregedor-eleitoral Otávio Praxedes diz não acreditar na anulação da eleição em nenhuma cidade do estado | @Ailton Cruz

Os problemas técnicos em mais de 100 urnas eletrônicas não comprometeram a totalização dos votos. Os entraves burocráticos também não. A urna eletrônica não pode ser violada. Portanto, o resultado do pleito é o que já foi divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Garante o corregedor e vice-presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE/AL), desembargador Otávio Leão Praxedes, ao responder se havia possibilidade de fraudes na urna eletrônica em algum dos 102 municípios e particularmente em Marechal Deodoro, onde eleitores pedem nova eleição. O corregedor disse não acreditar na anulação do pleito em nenhuma cidade do estado. A posição do corregedor e da maioria dos juízes eleitorais contraria o grupo de eleitores de Marechal Deodoro que durante a semana fizeram manifestações e denúncias, sem provas, de fraude, no pleito daquela cidade. A tentativa era de anular a eleição que reelegeu o prefeito Cláudio Roberto Ayres da Costa (MDB) com 14.072 (50.04%) votos e portanto derrotou o adversário José Gilvan Ribeiro de Almeida Filho (PTB), com a diferença de 21 votos (49.96%). “A urna eletrônica é muito segura. Os especialistas e a sociedade brasileira a tem como patrimônio nacional”. O desembargador afirmou que até hoje não apareceu nenhum político com provas de ter sido prejudicado ou usufruído de ilegalidade com a urna eletrônica. “Não há nenhum indício de possibilidade de violação da urna”. Ao explicar o funcionamento, o desembargador lembrou que durante o processo de votação o equipamento só fica ligada na rede elétrica. “A urna não é um celular. Portanto, não tem ligação com internet ou redes sociais. É um equipamento inviolável e preparado só para receber os votos dos eleitores. É testada por peritos e todos asseguram que não existe possibilidade de violação para a tentativa de fraude de resultado”.

CHORO DE PERDEDORES

O desembargador explicou que “existem tentativas de determinados candidatos que se utilizam de subterfúgio para enganar os eleitores. Eles [candidatos] criam artimanhas para comprometer o resultado do pleito. Mas, a urna é muito segura”. O desembargador Otávio Praxedes não identifica possibilidade do pleito ser anulado por conta de denúncias de fraude, sem provas. Com relação ao balanço do pleito nos 102 municípios, o vice-presidente do TRE disse que o presidente da corte, desembargador Pedro Augusto e ele estão “satisfeitos” com a tranquilidade e segurança dos eleitores. “Tudo foi feito com lisura, transparência, responsabilidade técnicas, dos magistrados, dos promotores eleitorais, dos técnicos, dos servidores da segurança pública. Todos trabalharem para garantir a confiabilidade e a lisura do pleito”. Quanto a insatisfação de eleitores com resultados onde houve vencedores com pouca diferença de votos, considerou como normal. “As pessoas não aceitam perder eleições com 20 votos, 15, três votos, é uma situação que deixa alguns insatisfeitos. Mas, da nossa parte do TRE posso garantir que fizemos o melhor para que o resultado das eleições expressasse a vontade soberana do eleitor. Isto ocorreu”.

MACEIÓ

Desde segunda- feira (16), a presidência, a corregedoria e os desembargadores do TRE vêm se reunindo com os juízes eleitorais da capital para montar a estratégia de garantir lisura, rapidez, segurança sanitária e social para a eleição do segundo turno no próximo dia 29. O corregedor, desembargador Otávio Praxedes, também quer evitar os transtorno do primeiro turno gerado por falhas técnicas das urnas que apresentaram problemas de funcionamento, falta de mesários e outros entraves burocráticos. “Chamamos a empresa responsável pelo funcionamento das urnas eletrônica, cobramos precisões técnicas e garantia que a urna funcione corretamente, mesmo que haja problemas no fornecimento de energia elétrica. Estamos sanando alguns entraves para que os 592.388 eleitores votem dentro da normalidade prevista para o segundo turno”, revelou. O presidente do TRE, desembargador Pedro Augusto, também mostra segurança com relação aos resultados do primeiro turno. Garante aos eleitores que todas as medidas estão sendo adotadas para evitar problemas técnicos neste segundo turno marcado para o próximo dia 29. As mesmas regras de votação do primeiro turno vão prevalecer: o eleitor com mais de 60 anos vota preferencialmente de 07 às 10hs, com uso de máscara.

Mais matérias desta edição