Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 5750
Política

MINISTÉRIO ACELERA OBRAS COM ORÇAMENTO 3 VEZES MAIOR EM AL

Segundo Transportes, investimento previsto para o Estado este ano chega a R$ 429 milhões

Por thiago gomes | Edição do dia 18/11/2023

Matéria atualizada em 18/11/2023 às 04h00

| Anna Cláudia Almeida

Com investimento previsto para 2023 na ordem de R$ 429 milhões em Alagoas (sendo três vezes maior do que o ano passado), o Ministério dos Transportes informou que toda a malha rodoviária do Estado está coberta por contratos de manutenção. Ações estruturantes de grande vulto estão em planejamento para o ano que vem, com incremento de recursos de mais de R$ 1 bilhão do Programa de Aceleração do Crescimento (Novo PAC).

Em entrevista ao Jornal da MIX, na Rádio MIX Maceió (98,3 FM), na manhã dessa sexta-feira (17), o secretário-executivo do Ministério dos Transportes, George Santoro, anunciou a entrega, até o começo do ano que vem, da pavimentação da BR-416, entre os municípios de Colônia Leopoldina e Ibateguara, na região da Serra da Catita.

A obra era uma demanda de duas décadas e foi contratada em dezembro de 2019 pelo valor de R$ 83,5 milhões. Ao todo, são 23 km de melhoramentos em três segmentos da rodovia.

“Este é um serviço estruturante de muita importância para a Zona da Mata alagoana, que ampliará a integração regional no Estado, reduzindo fretes e aproximando as pessoas”, destacou Santoro.

Ele também garantiu a recuperação das BRs 423 e 316, entre Canapi e Inhapi, no Sertão de Alagoas, e o planejamento para a duplicação da BR-104, na divisa entre Alagoas e Pernambuco. Neste caso, segundo o secretário, o Ministério dos Transportes deve começar a elaborar o projeto em 2024 e iniciar as tratativas para a licitação da obra.

Os investimentos na malha rodoviária fazem parte do pacote de ações anunciado no começo da gestão do presidente Lula (PT) e passam, também, pela concessão das estradas à iniciativa privada. Santoro lembrou a meta da pasta, que é realizar 35 leilões nos próximos anos, passando mais 20 mil quilômetros da administração das rodovias ao setor privado.

“Priorizamos, neste contexto de planejamento, as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, procurando uma tarifa diferenciada para cada localidade. Mas, estamos estudando a possibilidade de fazer algumas concessões na Região Nordeste, provavelmente a partir de 2025, alcançando alguns trechos da BR-101”, revelou.

Conforme Santoro, o Ministério dos Transportes já executou R$ 130,4 milhões do orçamento previsto para este ano em Alagoas. E se organiza para tocar obras que têm a proposta de melhorar a malha rodoviária no Estado nos próximos anos.

Entre os serviços programados e já anunciados, estão o Arco Rodoviário de Maceió (BRs 316-424), adequação da BR-316 (Palmeira dos Índios), construção de viaduto de acesso à Arapiraca, viaduto de Porto Real do Colégio (BR-101), federalização da AL-110, duplicação da BR-101 (Junqueiro), duplicação dos lotes 4 e 5 da BR-101 (São Miguel dos Campos-Teotônio Vilela) e duplicação da BR-101 (Joaquim Gomes).

PONTE

Além destas, há a construção da ponte Penedo-Neópolis, com extensão de 1.072 metros e 12,25 km de acessos, orçada em R$ 320 milhões. O projeto foi elaborado pela Codevasf [Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba] com investimento de R$ 2,3 milhões (emendas parlamentares alocadas pelo então deputado federal Renan Filho).

A largura projetada da ponte é de 21,10 metros. Os acessos, constantes no projeto, são de 12 metros e incluirá calçadas e ciclovias, cada qual com largura estimada de dois metros.

De acordo com Santoro, a construção da ponte trará estímulo à economia local em razão da melhoria no escoamento de produtos e do aumento do fluxo de turistas, tendo como consequência a diversificação de serviços ligados ao turismo, como o artesanato, comércio local, gastronomia e hotelaria. Do ponto de vista ambiental, a implantação da ponte está em sintonia com os programas que visam à melhoria da qualidade ambiental do rio São Francisco.

Na entrevista, ele também destacou medidas rápidas do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT) quando as chuvas começaram a afetar as rodovias federais em Alagoas. O órgão decretou emergência e respondeu com agilidade na manutenção dos trechos afetados, evitando a interdição do tráfego.

Mais matérias desta edição