Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 5692
Conflito

IRÃ PROMETE ‘RESPOSTA DURA’ APÓS ATAQUE DE ISRAEL A EMBAIXADA NA SÍRIA

Ação aérea causou morte de pelo menos 8 pessoas, incluindo comandante da Guarda Revolucionária

Por Da Redaçao | Edição do dia 02/04/2024

Matéria atualizada em 02/04/2024 às 04h00

O embaixador iraniano em Damasco, Hossein Akbari, afirmou que “a resposta de Teerã será dura” ao ataque aéreo de Israel contra a embaixada do Irã na Síria que matou oito pessoas, incluindo Mohammad Reza Zahed, alto comandante dos Pasdaran (Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica). O diplomata também acrescentou que “após a remoção dos escombros do prédio destruído pelo ataque, o número exato de vítimas será será divulgado”.

O ataque ao prédio do consulado iraniano pode marcar uma escalada do contínuo direcionamento militar de Israel a oficiais militares iranianos e aliados na Síria, que se intensificaram desde o início da guerra com o Hamas em Gaza em 7 de outubro.

Israel, que raramente reconhece tais ataques, disse que não tinha comentários sobre os relatos da mídia síria. A emissora estatal iraniana em árabe, Al-Alam, e a emissora de televisão pan-árabe Al-Mayadeen, que tem repórteres na Síria, disseram que o ataque matou o conselheiro militar iraniano, general Ali Reza Zahdi, que liderou a elite Força Quds no Líbano e na Síria até 2016. Quatro autoridades israelenses, falando sob condição de anonimato ao New York Times, reconheceram que Israel realizou o ataque, visando Zahdi.

O embaixador iraniano disse que dois policiais que guardavam o prédio ficaram feridos. Akbari prometeu vingança pelo ataque ‘na mesma magnitude e severidade’. Em comentários à mídia depois de se encontrar com Akbari, o ministro das Relações Exteriores da Síria, Faisal Mekdad, disse que ‘várias’ pessoas foram mortas.

Mekdad, em uma ligação telefônica com seu homólogo iraniano, Hossein Amirabdollahian, condenou Israel pelo ataque. A televisão estatal iraniana disse que a residência do embaixador iraniano estava no prédio consular, que ficava ao lado da embaixada. “Netanyahu perdeu o equilíbrio mental porque enfrentou derrotas consecutivas em Gaza e não alcançou os ambiciosos objetivos dos sionistas”, disse Amirabdollahian em comunicado.

O ataque, disse um membro iraniano da Guarda Revolucionária, visou uma reunião secreta na qual oficiais de inteligência iranianos e militantes palestinos se reuniram para discutir a guerra na Faixa de Gaza. Entre os oficiais iranianos estavam comandantes sêniores das Forças Quds e líderes da Jihad Islâmica Palestina, um grupo armado e financiado pelo Irã. O líder da Jihad Islâmica Palestina, Ziad Nakhaleh, estava no Irã na semana passada se encontrando com altos líderes iranianos.

Israel realizou centenas de ataques a alvos em partes controladas pelo governo da Síria nos últimos anos. Tais ataques aéreos escalaram nos últimos meses no contexto da guerra de Israel contra o Hamas na Faixa de Gaza e dos confrontos em curso entre o exército israelense e o Hezbollah na fronteira Líbano-Israel.

Embora raramente reconheça suas ações na Síria, Israel disse que alveja bases de grupos militantes aliados ao Irã, como o Hezbollah do Líbano, que enviou milhares de combatentes para apoiar as forças do presidente sírio Bashar Assad.

Um ataque aéreo israelense em um bairro de Damasco em dezembro matou um conselheiro de longa data da Guarda Revolucionária paramilitar iraniana na Síria, Seyed Razi Mousavi. Um ataque semelhante a um prédio em Damasco em janeiro matou pelo menos cinco conselheiros iranianos. Na semana passada, ataques aéreos sobre a estratégica província oriental síria de Deir el-Zour, perto da fronteira com o Iraque, mataram um conselheiro iraniano.

Mais matérias desta edição