Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 5749
Reunião de cúpula

‘NÃO HÁ ATALHO NA DEMOCRACIA EM NOSSA REGIÃO’, DIZ LULA NO MERCOSUL

Presidente diz que enquanto a região for desigual, estabilidade política seguirá ameaçada

Por da redação com agências | Edição do dia 08/07/2024

Matéria atualizada em 08/07/2024 às 22h47

O Presidente Lula discursou nesta segunda-feira durante a cúpula do Mercosul, em Assunção, no Paraguai. Em sua fala, o presidente destacou a tentativa de golpe na Bolívia, realizada no mês passado pelo general do exército Juan José Zúñiga.

“A reação unânime do 26 de junho na Bolívia e ao 8 de janeiro no Brasil mostram que não há atalho na democracia em nossa região. Mas é preciso permanecer vigilante. Falsos democratas tentam solapá-la e colocá-la a serviço de interesses reacionários. Enquanto nossa região seguir entre as mais desiguais do mundo a estabilidade política permanecerá ameaçada”.

O presidente ainda jogou luz às derrotas recentes da extrema direita e da ultradireita nas eleições parlamentares do Reino Unido e da França, onde coalizões de esquerda conquistaram a preferência dos eleitores na última semana.

“Ambas são fundamentais para a defesa da democracia e da justiça social contra as ameaças do extremismo”, afirmou Lula.

O Presidente da República ainda afirmou que é necessário o bloco agir em conjunto para desenvolver estruturas de Inteligência Artificial e de governança de dados. E pediu que os países-membros se dediquem na construção de um acordo de livre comércio com a China.

Já em relação ao fim das barreiras alfandegarias entre o Mercosul e a União Europeia, Lula creditou aos líderes europeus o impasse nas negociações do tratado.

“Só não conseguimos concluir o acordo com a União Europeia porque os europeus não conseguiram resolver suas próprias contradições internas”, afirmou.

BOLÍVIA

Lula comentou também sobre a incorporação da Bolívia como sexto membro do Mercosul. “A adesão plena da Bolívia tem enorme valor estratégico e faz do nosso bloco ator incontornável no contexto da transição energética. Somos ricos em recursos minerais e possuímos abundantes fontes de energia limpa e barata. Temos tudo para nos tornar um elo importante na cadeia de semicondutores, baterias e painéis solares”.

“Podemos formar uma aliança de produtores de minerais críticos para que os benefícios do processamento desses recursos fiquem em nossos países”, defendeu.

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

O Presidente Lula também afirmou durante a cúpula que os países da América Latina deveriam liderar a discussão sobre o combate às mudanças climáticas, citando os impactos das secas nos biomas do continente.

“Quero fazer um chamado por maior engajamento e ambição climática. (…) Neste ano, na COP16 em Cali (que será realizada em novembro), mostraremos também magnitude da biodiversidade sul-americana. Temos a autoridade moral para nos fazer ouvir e a responsabilidade histórica de liderar pelo exemplo”, disse Lula.

ASSINATURA DE ACORDOS

Além do foco na adesão da Bolívia ao Mercosul, está prevista para esta edição da Cúpula a assinatura de convênio para complementação financeira e técnica entre o bloco e o Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata).

Mais matérias desta edição