Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Rural

Safra em Pindorama deve crescer até 5%

Usina da cooperativa foi a primeira a entrar em operação no ciclo 20/21

Por Editoria do Gazeta Rural | Edição do dia 20/02/2021

Matéria atualizada em 18/02/2021 às 00h46

Unidade industrial começa a receber investimentos de maquinários já para a próxima moagem
Unidade industrial começa a receber investimentos de maquinários já para a próxima moagem | Divulgação

Com mais de 860 mil toneladas de cana processadas até a primeira semana de fevereiro, a usina da Cooperativa Pindorama deve concluir a safra 20/21 com uma variação positiva de até 5% em comparação ao ciclo passado, beneficiando mais de 940 mil toneladas de cana.

A unidade industrial foi a primeira a iniciar a safra em Alagoas, na segunda quinzena de agosto de 2020, dando o pontapé inicial para o novo ciclo da cana no Estado.

“Poderíamos chegar a ter uma moagem maior. Mas, ainda sentindo o reflexo da safra anterior, que foi atingida pela seca, houve uma redução na estimativa inicial de crescimento que era de 10%. Mas, mesmo assim, vamos crescer”, declarou Klécio Santos, presidente da cooperativa.

De acordo com ele, em função das condições climáticas atuais e diante das ações técnicas realizadas no campo, a estimativa para a próxima safra é de crescimento. 

“Sei que ainda é cedo para fazer uma previsão para o próximo ano. Mas, devemos ter um crescimento de 15% na moagem 21/22. Acho que a gente ultrapassa um milhão de toneladas de cana processadas”, reforçou. 

Segundo Klécio, o setor sucroenergético teve em 2020, em comparação aos últimos 15 anos, o melhor ano de preço nos mercados interno e externo.


Unidade industrial começa a receber investimentos de maquinários já para a próxima moagem
Unidade industrial começa a receber investimentos de maquinários já para a próxima moagem - Foto: Divulgação
 

“A questão funcionou bem tanto para o álcool, quanto para o açúcar. Uma coisa que a gente precisa ressaltar bem diz respeito a sensibilidade do governador Renan Filho, que, há dois anos atrás, equilibrou a questão tributária. Isso nos permitiu ser mais competitivos e, com isso, termos um resultado final melhor para todas as unidades industriais de Alagoas”, finalizou Santos, lembrando que a empresa está fazendo ampliações na usina, por exemplo, com a aquisição de mais uma caldeira que irá proporcionar uma capacidade de processamento ainda maior.

Mais matérias desta edição